Buscar

Dr. Eduardo Macário (MS) apresenta cenário atual e plano nacional de enfrentamento das DCNTs

No último dia 23 de outubro aconteceu o 7º Encontro do Fórum Intersetorial de Combate às DCNTs no Brasil e o Dr. Eduardo Macário (Ministério da Saúde) alertou sobre os números preocupantes relacionados à doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) no Brasil e no mundo. Ás DCNT são responsáveis por 71% do total de mortes no mundo (41 milhões de pessoas) e a cada ano 15 milhões de pessoas de 30 a 69 anos morrem prematuramente por DCNTs. No Brasil, as DCNT geram 1,8 milhões de internações no SUS, gastos de 8,8 bilhões. O Ministério da Saúde conta com a estratégia nacional para o combate às DCNTs, que tem como base a implementação de políticas efetivas, integradas, sustentáveis e baseadas em evidências para a prevenção e o controle das DCNTs e seus fatores de risco, e fortalecer os serviços de saúde voltados às doenças crônicas.


Estratégia estruturada em três linhas de ação:

  1. Vigilância, informação, avaliação e monitoramento;

  2. Promoção da saúde e prevenção;

  3. Cuidado integrado das DCNT e seus fatores de risco.


A Organização das Nações Unidas reconheceram o papel da poluição do ar como quinto fator de risco, e a contribuição dos transtornos mentais e outras condições de saúde mental para a carga global de DCNTs.


O Plano de Ação de Saúde Mental 2013-2020 da OMS, recomenda a integração da saúde mental aos cuidados gerais à saúde, nas fases do ciclo de vida e nos programas de DCNTs.


A pandemia de COVID-19 afetou o funcionamento de serviços de vigilância, prevenção e atenção às DCNTs, bem como as ações de promoção da saúde. Grande parte das equipes das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde que atuam em vigilância, prevenção e atenção as DCNT e promoção da saúde foi deslocada para trabalhar na resposta ao COVID-19.


Diante desse cenário, é preciso:

  1. Revisar diretrizes, eixos, metas e linhas de ação;

  2. Incluir poluição do ar como fator de risco para DCNT;

  3. Discutir o papel dos transtornos mentais e outras condições de saúde mental na carga de DCNT;

  4. Avaliar a Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências (2001);

  5. Elaborar um Plano de Ações Estratégicas para Enfrentamento da Violência interpessoal/autoprovocada;

  6. Incorporar o “Advocacy" como estratégia para a implementação de políticas públicas e ações para o alcance das metas.

Veja a apresentação completa do Dr. Macário aqui. E conheça o Plano Nacional de Enfrentamento às DCNTs, que está em fase de consulta pública, aqui.

20 visualizações

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube