Buscar

COVID-19 Afeta Severamente Serviços Para Doenças Crônicas - DCNTs (Pesquisa OMS)

Os serviços de prevenção e tratamento de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) foram severamente interrompidos desde o início da pandemia do COVID-19, de acordo com uma pesquisa divulgada hoje pela OMS. A pesquisa, que contou com a participação de 155 países durante um período de três semanas em maio, confirmou que o impacto é global, mas que os países de baixa renda são os mais afetados. Essa situação é preocupante porque as pessoas que vivem com DCNTs correm maior risco de severidade da COVID-19 e morte, especialmente quando não seguindo o tratamento de suas condições crônicas.


"Os resultados desta pesquisa confirmam o que ouvimos dos países há várias semanas", disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. “Muitas pessoas que precisam de tratamento para doenças como câncer, doenças cardiovasculares e diabetes não recebem os serviços de saúde e medicamentos necessários desde o início da pandemia do COVID-19. É vital que os países encontrem maneiras inovadoras de garantir que os serviços essenciais para as DCNTs continuem, mesmo enquanto combatem o COVID-19 ".



As interrupções dos serviços são generalizadas


A principal descoberta é que os serviços de saúde foram parcial ou completamente interrompidos em muitos países. Mais da metade (53%) dos países pesquisados ​​tiveram serviços para o tratamento da hipertensão parcial ou totalmente interrompidos; assim como 49% para tratamento de diabetes e suas complicações; 42% para o tratamento de câncer e 31% para emergências cardiovasculares. Os serviços de reabilitação foram interrompidos em quase dois terços (63%) dos países, embora a reabilitação seja a chave para uma recuperação saudável após infecção grave por COVID-19.


Remanejo de pessoal e adiamento de triagem


94% dos países que responderam relataram que o pessoal do ministério da saúde, atuante na área de DCNTs, foi parcial ou totalmente transferido para apoiar a COVID-19. O adiamento de programas públicos de triagem (por exemplo, câncer de mama e colo do útero) também foi generalizado, relatado por mais de 50% dos países. Isso foi consistente com as recomendações iniciais da OMS para minimizar os cuidados não urgentes nas instalações, ao mesmo tempo em que enfrentava a pandemia. Mas, os motivos mais comuns para interromper ou reduzir os serviços foram cancelamentos de tratamentos planejados, diminuição no transporte público disponível e falta de pessoal porque os profissionais de saúde haviam sido transferidos para apoiar os serviços de COVID-19. Um em cada cinco países (20%) que relatou interrupções, um dos principais motivos para a descontinuação de serviços foi a falta de medicamentos, diagnósticos e outras tecnologias. Parece, ainda, haver uma correlação entre os níveis de interrupção dos serviços para o tratamento de DCNTs e a evolução do surto de COVID-19. Os serviços tornam-se cada vez mais interrompidos à medida que um país passa de casos esporádicos para a transmissão comunitária do coronavírus. Globalmente, dois terços dos países relataram ter incluído serviços de DCNTs em seus planos nacionais de preparação e resposta ao COVID-19; 72% dos países de alta renda relataram inclusão em comparação com 42% dos países de baixa renda. Os serviços para abordar doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e doenças respiratórias crônicas foram os mais frequentemente incluídos. As atividades de serviços odontológicos, reabilitação e cessação do tabaco não foram tão amplamente incluídas nos planos de resposta, de acordo com os relatórios dos países. 17% dos países relataram começar a alocar fundos adicionais do orçamento do governo para incluir a prestação de serviços de DCNTs em seu plano nacional de COVID-19.



Estratégias alternativas para o cuidado contínuo ser implementado


As conclusões encorajadoras da pesquisa mostram que foram estabelecidas estratégias, na maioria dos países, para apoiar as pessoas em maior risco de descontinuar o tratamento para DCNTs. Os países que relatam interrupções nos serviços, que são 58%, estão usando a telemedicina (aconselhamento por telefone ou online) para substituir as consultas pessoalmente; nos países de baixa renda, esse número é de 42%. A triagem para determinar prioridades também tem sido amplamente utilizada em dois terços dos países. O que também é encorajador, é que mais de 70% dos países relataram coletar dados sobre o número de pacientes com COVID-19 que têm DCNTs. "Levará algum tempo até que possamos conhecer toda a extensão do impacto das interrupções nos cuidados de saúde durante o COVID-19 em pessoas com doenças crônicas não transmissíveis", disse o Dr. Bente Mikkelsen, diretor do Departamento de DCNTs da OMS. “O que sabemos agora, no entanto, é que não apenas as pessoas com DCNTs são mais vulneráveis ​​a ficar gravemente doentes com o vírus, mas muitas são incapazes de acessar o tratamento necessário para gerenciar suas doenças. É muito importante não apenas que o atendimento às pessoas que vivem com DCNTs seja incluído nos planos nacionais de resposta e preparação para o COVID-19, mas que sejam encontradas formas inovadoras de implementar esses planos. Devemos estar prontos para “recuperar melhor” o fortalecimento dos serviços de saúde para que estejam melhor equipados para prevenir, diagnosticar e prestar assistência às DCNTs no futuro, em qualquer circunstância ”.


As doenças crônicas não transmissíveis matam 41 milhões de pessoas a cada ano, o equivalente a 71% de todas as mortes no mundo; 15 milhões entre as pessoas que morrem de uma DCNT estão entre 30 e 69 anos; mais de 85% dessas mortes "prematuras" ocorrem em países de baixa e média renda.


Mais informações da OMS sobre o tema aqui.


Guia da OMS "Manutenção de serviços essenciais de saúde: orientação operacional para o contexto da COVID-19", com capítulo sobre DCNTs aqui.


Outras publicações do FórumDCNTs sobre o tema aqui.

0 visualização

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube