Buscar

O impacto da COVID-19 nas doenças crônicas não transmissíveis

Desde 2001, a Organização Mundial da Saúde (OMS) têm realizado avaliações regulares da capacidade dos países de abordar e responder à carga crescente de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs). Recentemente a OMS acompanhou essa avaliação para obter novas informações sobre o impacto da COVID-19 nas DCNTs em nível ministerial e no setor de saúde.


Esta análise de acompanhamento, que acaba de ser publicada , compartilha as percepções de 163 Estados Membros em todo o mundo. Aqui estão algumas descobertas importantes:


  • Quase todos os países (94% das respostas) relataram que alguns ou todos os funcionários do ministério da saúde responsáveis ​​por DCNTs e seus fatores de risco estavam apoiando os esforços do COVID-19;

  • Dois terços (66%) dos países relataram que a garantia de continuidade dos serviços de DCNTs foi incluída em uma lista de serviços essenciais de saúde em seu plano nacional de resposta à COVID-19. Este número foi significativamente menor para aqueles em serviços de reabilitação, odontologia e cessação do tabagismo;

  • Apenas 28 países (17%) relataram que o financiamento adicional foi alocado para DCNTs nos orçamentos governamentais para a resposta do COVID-19, embora um número considerável de países (n = 40, 25%) não tenha sido capaz de responder a essa pergunta.

Veja o relatório completo para encontrar análises por região e dados extras sobre atividades interrompidas de DCNTs.


Comissão Lancet: cobertura universal da saúde para uma população mais vulnerável.

No dia 15 de setembro, a OMS publicou a Comissão Lancet sobre DCNTs e lesões nas populações socioeconomicamente mais vulneráveis.


Refletindo que a atual agenda global de DCNTs não atende às necessidades, perspectivas e direitos dos mais vulneráveis do mundo, o relatório conclui que as DCNTs são responsáveis ​​por mais de um terço da carga de doenças entre o bilhão de pessoas mais vulneráveis e são atribuíveis a um conjunto mais diverso de condições e fatores de risco do que os do modelo 5 x 5 de DCNTs.


O relatório conclui que a implementação progressiva de intervenções para DCNTs mais acessíveis, econômicas e equitativas, entre 2020 e 2030, poderia salvar a vida de mais de 4,6 milhões dos mais pobres do mundo, incluindo 1,3 milhão que, de outra forma, morreria antes dos 40 anos.


Ainda estabelece a necessidade de os governos nacionais ajustarem as prioridades com base nos dados locais disponíveis sobre as DCNTs e priorizar as necessidades dos que estão em pior situação e mais vulneráveis.


Acesse o relatório completo.

11 visualizações

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube