• FórumDCNTs

Investir nas DCNTs e na saúde mental agora é um investimento em um futuro melhor

Sabemos o que funciona para reduzir o fardo das DCNTs e melhorar a vida das pessoas; já é hora de os governos investirem em saúde e prevenção, desde cedo. A COVID-19 expôs os danos causados pela negligência às DCNTs e pela redução dos gastos públicos ao longo dos anos com saúde, prevenção e serviços essenciais de saúde pública em muitos países. Precisamos investir em resiliência - para serviços de saúde e sociedades saudáveis - a fim de desmantelar disparidades de longa data em nossas sociedades. Precisamos de fortes sistemas de proteção social e políticas para proteger as comunidades vulneráveis e reduzir as desigualdades.

A COVID-19 também nos obriga a reimaginar um novo normal e usar essa crise para reconstruir o meio ambiente, as economias, os sistemas de saúde e as sociedades de uma forma mais equitativa. Estamos vendo alguns lampejos de esperança para a saúde e o bem-estar no contexto da mudança climática: a poluição do ar caiu substancialmente em muitos países durante os bloqueios, e algumas cidades se adaptaram para promover o transporte ativo, como andar de bicicleta e caminhar graças à infraestrutura desenvolvida para incentivar essas práticas.


Outra oportunidade é investir na prevenção de DCNTs e implementar intervenções testadas/comprovadas para reduzir a exposição aos fatores de risco para DCNTs. A maioria das DCNTs que se manifestam quando as pessoas estão na faixa dos 40 e 50 anos são causadas por fatores de risco aos quais as pessoas estão expostas desde a infância e adolescência. No mundo de hoje, as crianças são bombardeadas com campanhas de marketing para alimentos ricos em açúcar, sal e gordura. Mesmo antes do lockdown, que restringiu severamente a atividade física de crianças e adolescentes, mais de 80% dos jovens em todo o mundo não estavam praticando atividade física suficiente.


Além disso, crianças e adolescentes em todo o mundo estão expostos ao tabaco, álcool, drogas, alimentação não-saudável, poluição do ar e produtos químicos tóxicos, como o chumbo no início da vida, predispondo-os às DCNTs. Investir em resiliência exige que invistamos na redução do impacto dessas exposições nos primeiros anos de vida, antes que os danos se instalem. Devemos nos concentrar na prevenção na infância para crianças e adolescentes, reconhecendo o imenso retorno não apenas do investimento, mas para nossas sociedades. Isso inclui a redução do sal, açúcar e gorduras trans dos alimentos; promoção da atividade física, aliada ao planejamento urbano que possibilite atividades seguras e culturalmente adequadas; habilitar o transporte público e implementar políticas para reduzir a poluição do ar; e implementação de medidas de preços e marketing para o tabaco e o álcool.


Devemos investir em saúde mental e bem-estar como parte de nossas respostas a emergências. A pandemia do novo coronavírus exigiu bloqueios e ordens de permanência em casa para conter sua propagação, o que resultou em aumentos no desemprego, lacunas na educação, e aumento do risco de violência familiar. A angústia associada, juntamente com o medo de doenças fatais e a falta de certeza de quando a vida normal poderá ser retomada, está afetando enormemente a saúde mental de curto e longo prazo das pessoas. Experiências anteriores com emergências humanitárias em vários países já demonstraram que as emergências, apesar de seus efeitos adversos sobre a saúde mental, são oportunidades sem paralelo para construir serviços de saúde mental para todas as pessoas necessitadas. Esta oportunidade de reconstruir melhores sistemas de saúde para DCNTs e saúde mental não deve ser perdida.


Com a crise, vem o imperativo de mudança. As fragilidades e desigualdades do mundo foram expostas de forma tão dolorosa, que é claro que não podemos simplesmente reconstruir o mundo como ele era. Em vez disso, devemos construir sociedades mais justas e resilientes que não deixem para trás as pessoas que vivem com DCNTs. Este momento fornece a abertura para transformações que estão em andamento há muito tempo, mas agora precisam de um impulso extra.


O COVID-19 deve ser o sinal de alerta para os governos finalmente intensificarem e investirem nas DCNTs. Apelamos aos nossos líderes e formuladores de políticas para garantir que estamos investindo na prevenção, triagem, diagnóstico precoce e tratamento adequado das DCNTs. Que os governos invistam na atenção primária à saúde - que é a abordagem mais inclusiva, eficaz e eficiente para melhorar a saúde física e mental das pessoas. Que as pessoas com DCNTs possam confiar no acesso, sem discriminação, aos serviços de saúde para DCNTs, sem expô-las a dificuldades financeiras. Que os líderes realmente tenham coragem e determinação para expandir os pacotes de benefícios da cobertura universal de saúde para incluir as DCNTs. Que possamos responder às solicitações de pessoas com DCNTs em países de baixa e média renda para aprimorar os instrumentos de financiamento global e, com isso, permitir que os sistemas de saúde atendam às suas necessidades.


Duas décadas atrás, a Assembleia Mundial da Saúde da OMS reconheceu que “as necessidades de longo prazo das pessoas que vivem com DCNTs raramente são atendidas”. A COVID-19 mostrou como isso é dolorosamente verdadeiro. Recentemente, na 75ª Assembleia Geral da ONU em setembro de 2020, os líderes mundiais concordaram em “fortalecer ainda mais os esforços para abordar as doenças não-transmissíveis como parte da cobertura universal de saúde, reconhecendo que as pessoas que vivem com doenças crônicas não-transmissíveis correm um risco maior de desenvolver sintomas graves de COVID-19 e estão entre os mais afetados pela pandemia.” A pandemia deve desencadear ações atrasadas para construir um mundo mais inclusivo e sustentável. Devemos investir no futuro.


Assinado por,

Sr. Todd Harper, Presidente, NCD Alliance

Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral, OMS

Sra. Henrietta Fore, Diretora Executiva, UNICEF

Sr. Dag-Inge Ulstein, Ministro do Desenvolvimento Internacional, Noruega


Adaptado por Lucas Xavier do artigo publicado pela FORESIGHT Global Health: Building Back Better: Investing in healthy populations and resilient health systems for NCDs and Mental Health to be better prepared for future crises