Buscar

Ação sobre a obesidade infantil em meio ao COVID-19: maiores desafios e novas oportunidades

Atualizado: 8 de Dez de 2020

É cada vez mais reconhecido que a pandemia COVD-19 e as estratégias de resposta, como o fechamento de escolas, bloqueios de países e restrições comerciais, estão exacerbando os desafios existentes para a nutrição infantil e o bem-estar em todo o mundo, com potencial para um impacto negativo sem precedentes. Cerca de 370 milhões de crianças foram privadas de refeições escolares essenciais como resultado do fechamento das escolas. Esta é uma ameaça não apenas para a quantidade, mas também para a qualidade nutricional dos alimentos que as crianças recebem, com efeitos que persistirão muito depois de a pandemia ter passado.


O aumento da perda de peso, ou baixo peso para a altura, como resultado de uma escassez aguda de alimentos, pode ser o impacto mais agudo da interrupção do sistema alimentar e de saúde e do aumento da pobreza familiar. Os relatórios do UNICEF dos primeiros meses da pandemia COVID-19 sugerem uma redução de 30% na cobertura de serviços essenciais de nutrição em países de baixa e média renda (LMICs) e declínios de 75-100% em contextos de bloqueio. Sem uma ação oportuna, a prevalência global de definhamento infantil poderia aumentar em 14% e o número de crianças definhadas poderia aumentar em 6 a 7 milhões. No entanto, o desperdício não é o único desafio da desnutrição que corre o risco de ser exacerbado pelo COVID-19. O sobrepeso e a obesidade - fatores de risco para resultados adversos da doença - também podem aumentar mais rapidamente se as condições atuais persistirem.



Devido ao COVID-19, muitas comunidades estão enfrentando barreiras financeiras e físicas para ter acesso a alimentos nutritivos e dietas saudáveis. Ações críticas para promover uma nutrição melhor para as crianças, acesso à refeições escolares saudáveis ​​e esforços de rotulagem na frente da embalagem, estão sendo interrompidas ou adiadas indefinidamente.


Além disso, durante o COVID-19, houve relatos de marketing oportunista e distribuição inadequada de substitutos do leite materno e alimentos não saudáveis ​​que vão contra as metas de nutrição da saúde pública.


Há um consenso político crescente de que os sistemas alimentares futuros devem fornecer alimentos saudáveis ​​e sustentáveis ​​para todos. A justificativa para isso é clara: quando os governos investem em sistemas que protegem as crianças contra a desnutrição - em todas as suas formas - a nutrição infantil melhora dramaticamente.


Para que isso aconteça, é necessário um compromisso dos governos para reduzir o custo e aumentar o acesso das famílias a alimentos nutritivos, seguros, acessíveis e sustentáveis. Chegar lá exigirá transformações críticas, incluindo um compromisso renovado para gerar e compartilhar dados e evidências relevantes para as políticas, testar abordagens inovadoras e ampliar a implementação de intervenções baseadas em evidências em países e cidades.


Saiba mais aqui!

16 visualizações0 comentário

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube