• FórumDCNTs

OMS anuncia novos compromissos para acelerar o progresso nas metas de nutrição

A COVID-19 e as mudanças climáticas exacerbaram a desnutrição em todas as suas formas e ameaçaram a sustentabilidade e resiliência dos sistemas alimentares em todo o mundo. Na Cúpula Nutrição para o Crescimento em Tóquio, de 7 a 8 de dezembro de 2021, a Organização Mundial da Saúde anunciou seis novos compromissos para acelerar o progresso nas metas de nutrição para 2025, que foram desviados ainda mais do curso durante a pandemia. Os seis compromissos são:

  • Expandir iniciativas para prevenir e gerenciar o sobrepeso e a obesidade;

  • Intensificar atividades para criar ambientes alimentares que promovam uma alimentação segura e saudável;

  • Apoiar os países na abordagem da desnutrição aguda;

  • Acelerar as ações na redução da anemia;

  • Aumentar a promoção e o apoio à amamentação de qualidade;

  • Fortalecer os sistemas de dados de nutrição, uso e capacidade de dados.

Hoje, um terço de todas as pessoas no mundo são afetadas por pelo menos uma forma de desnutrição. Mais de 40% de todos os homens e mulheres (2,2 bilhões de pessoas) estão acima do peso ou com obesidade. E a alimentação inadequada está relacionada a pelo menos 8 milhões de mortes por ano. “A desnutrição em todas as suas formas é uma das principais causas de morte e doença no mundo”, segundo o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS. “A OMS está empenhada em apoiar todos os países para expandir progressivamente o acesso aos serviços de nutrição essenciais como parte de sua jornada rumo à cobertura universal de saúde e fortalecer os sistemas alimentares sustentáveis ​​para apoiar dietas saudáveis ​​para todas as pessoas, em todos os lugares."

Apesar das melhorias incrementais em todas as formas de desnutrição na última década, esse progresso se desviou com as taxas crescentes de desigualdade, crise climática, conflito e insegurança na saúde global.


A carga múltipla da desnutrição, como retardo de crescimento, definhamento, deficiências de micronutrientes, obesidade e doenças crônicas não transmissíveis relacionadas à má alimentação, estão cada vez mais coexistindo na mesma comunidade, família e até mesmo no mesmo indivíduo. Com as tendências atuais a OMS projetou que uma em cada duas pessoas estará desnutrida até 2025, e cerca de 40 milhões de crianças sofrerão de obesidade ou excesso de peso na próxima década. Em comunidades marginalizadas, a desnutrição infantil e a insegurança alimentar estão aumentando. No ano passado, 149 milhões de crianças tiveram crescimento atrofiado devido a alimentação precária, falta de acesso a água potável e serviços de saúde e outros problemas de acessibilidade. Entre 45% das crianças menores de 5 anos que morrem, a desnutrição foi a causa básica da morte. Embora haja sinais positivos de progresso, como o mundo estar no caminho certo para atingir a meta global de aumentar o aleitamento materno exclusivo até 2025, a pandemia de COVID-19 alimentou a crise nutricional. Isso afetou particularmente mulheres e crianças, e trouxe desafios sem precedentes e desvio de recursos dos sistemas globais de nutrição, incluindo saúde, alimentação, proteção social e infraestrutura de assistência humanitária.


“Hoje, menos de 1% da assistência ao desenvolvimento global concentra-se na nutrição”, disse o Dr. Francesco Branca, Diretor do Departamento de Nutrição e Segurança Alimentar da OMS. “É preciso haver uma ação acelerada para acabar com a alimentação não saudável ​​e a desnutrição, e os novos compromissos da OMS com a Cúpula Nutrição para o Crescimento refletem isso. O Nutrition for Growth Summit é uma grande oportunidade para acelerar a ação durante a Década de Ação sobre Nutrição 2016-2025. ” A OMS continua trabalhando nas três importantes áreas de enfoque da nutrição para o crescimento (saúde, alimentação e resiliência), fortalecendo a orientação normativa e apoiando os países em seu uso; monitorando e garantindo o acesso aos dados nutricionais; fornecendo apoio aos governos e tomadores de decisão para integrar as intervenções dos sistemas nutricionais e alimentares nos planos nacionais de cobertura universal de saúde, sistemas multissetoriais e políticas fiscais; e pelo trabalho contínuo em ambientes de emergência.


Fonte: https://www.who.int/news/item/07-12-2021-who-accelerates-work-on-nutrition-targets-with-new-commitments