• FórumDCNTs

OMS lança novas ferramentas para ajudar a construir programas eficazes contra o câncer infantil

No dia Internacional do Câncer Infantil (15/2) a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou um conjunto de ferramentas para ajudar os países a melhorar o diagnóstico e o tratamento do câncer infantil. O pacote inclui um guia “como fazer” para formuladores de políticas, gerentes de programas de controle do câncer e gerentes de hospitais; uma ferramenta de avaliação para informar a implementação; e um portal online multilíngue para compartilhamento de informações.


As novas ferramentas apoiarão os países na implementação da abordagem CureAll, adotada pela Iniciativa Global para o Câncer Infantil da OMS. A iniciativa, lançada em 2018, visa alcançar pelo menos 60% de sobrevivência para câncer infantil em todo o mundo até 2030. Atualmente, as crianças que vivem em países de alta renda têm 80% de chance de cura, enquanto menos de 30% das crianças diagnosticadas com câncer em muitos países de renda baixa e média (LMICs) sobrevivem.

Durante os últimos dois anos, a Iniciativa Global, apoiada pelo Hospital St. Jude Children's Research, um Centro Colaborador da OMS nos Estados Unidos da América, tornou-se ativa em mais de 30 países e se beneficia da participação de mais de 120 parceiros globais.


Em todas as regiões, a OMS / EURO traçou passos da Federação Russa para fundir a hematologia pediátrica e a oncologia pediátrica em uma especialidade médica, como um exemplo inspirador de como os sistemas de saúde e educação dos países podem se adaptar a novos métodos e salvar a vida das crianças. A Região também anunciou seu primeiro Embaixador do Câncer, Sr. Aron Andersen, que trabalhará com a OMS / EURO em uma série de atividades de defesa e conscientização, para reduzir os fatores de risco para o câncer.


Confira no vídeo abaixo uma conversa sobre o câncer, entre Aron Anderson e a Dra. Marilys Corbex da OMS.



Soluções para todas essas questões são fornecidas no novo guia “como fazer”, que se baseia em quatro pilares:

  • centros de excelência com caminhos de referência definidos e mão de obra treinada;

  • inclusão do câncer infantil em pacotes de benefícios nacionais para cobertura universal de saúde;

  • padrões de tratamento baseados em evidências e ajustados à capacidade local;

  • sistemas de informação robustos para monitoramento contínuo do desempenho do programa.

Estudos de caso de países que começaram a implementar a abordagem CureAll, como Gana, Peru e Uzbequistão, também estão incluídos.


Acesse o material completo aqui.