• FórumDCNTs

Relatório da OMS revela que redução da gordura trans beneficia 3 bilhões de pessoas no mundo

Dois anos após o início do esforço da Organização Mundial da Saúde (OMS) para eliminar as gorduras trans produzidas industrialmente do abastecimento global de alimentos, a Organização relata que 58 países até agora introduziram leis que protegerão 3,2 bilhões de pessoas contra a substância nociva até o final de 2021. Porém mais de 100 países ainda precisam tomar medidas para remover essas substâncias nocivas de seus suprimentos de alimentos.


Estima-se que o consumo de gorduras trans produzidas industrialmente cause cerca de 500.000 mortes por ano devido a doenças coronárias.


“Em uma época em que o mundo inteiro está lutando contra a pandemia da COVID-19, devemos fazer todos os esforços para proteger a saúde das pessoas. Isso deve incluir tomar todas as medidas possíveis para prevenir doenças não transmissíveis que podem torná-los mais suscetíveis ao coronavírus e causar morte prematura”, disse o Diretor-Geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Nossa meta de eliminar a gordura trans até 2023 não deve ser atrasada.”


Quinze países são responsáveis ​​por aproximadamente dois terços das mortes em todo o mundo ligadas à ingestão de gordura trans. Destes, quatro (Canadá, Letônia, Eslovênia, Estados Unidos da América) implementaram políticas de melhores práticas recomendadas pela OMS desde 2017, seja estabelecendo limites obrigatórios para gorduras trans produzidas industrialmente em 2% de óleos e gorduras em todos os alimentos ou proibindo óleos parcialmente hidrogenados. Mas os 11 países restantes (Azerbaijão, Bangladesh, Butão, Equador, Egito, Índia, Irã, México, Nepal, Paquistão, República da Coréia) ainda precisam tomar medidas urgentes.



Relatório da OMS sobre a redução da gordura trans global.
Relatório da OMS sobre a redução da gordura trans global.

O relatório destaca duas tendências encorajadoras:


Em primeiro lugar, os países agem, eles adotam de forma esmagadora políticas de melhores práticas, em vez de políticas menos restritivas. Novas medidas de política aprovadas e / ou introduzidas no ano passado no Brasil, Turquia e Nigéria atendem aos critérios da OMS para políticas de melhores práticas. Países, como a Índia, que anteriormente implementaram medidas menos restritivas, agora estão atualizando as políticas para se alinhar às melhores práticas.


Em segundo lugar, regulamentações regionais que definem padrões para vários países estão se tornando cada vez mais populares, emergindo como uma estratégia promissora para acelerar o progresso em direção à eliminação global até 2023. Em 2019, a União Europeia aprovou uma política de melhores práticas e todos os 35 países que fazem parte do a Região Americana da OMS / Organização Pan-Americana da Saúde aprovou por unanimidade um plano de ação regional para eliminar as gorduras trans produzidas industrialmente até 2025.


Juntas, essas duas iniciativas regionais têm o potencial de proteger um adicional de 1 bilhão de pessoas em mais de 50 países que não eram anteriormente protegido por regulamentos de gordura trans.


“Com a crise econômica global, mais do que nunca, os países estão procurando as melhores opções de saúde pública”, disse o Dr. Tom Frieden, presidente e CEO da Resolve to Save Lives. “Tornar os alimentos sem gordura trans salva vidas e dinheiro e, ao prevenir ataques cardíacos, reduz a carga sobre os centros de saúde”.


Apesar do progresso encorajador, persistem disparidades importantes na cobertura das políticas por região e nível de renda do país. A maioria das ações políticas até agora, incluindo aquelas aprovadas em 2019 e 2020, foram em países de renda mais alta e nas Regiões da OMS nas Américas e na Europa.


Políticas de melhores práticas foram adotadas por sete países de renda média alta e 33 países de renda alta; nenhum país de renda baixa ou média-baixa ainda o fez.


Confira o relatório completo da OMS.