Buscar

OMS Alerta que COVID-19 Pode Causar Grande Crise de DCNTs em Todo o Mundo

Durante a 73ª Assembleia Mundial de Saúde, de 18 a 19 de maio, em Genebra, o Diretor-Geral da OMS, Dr. Tedros, expressou sua preocupação com as DCNTs durante e após a pandemia de COVID-19. Para ele, “a perturbação dos sistemas de saúde ameaça desfazer décadas de progresso contra… DCNTs…”.

Foi proposta, na ocasião, uma resolução (assinada também pelo Brasil), convidando os 131 Estados Membros, no contexto da pandemia do COVID-19, a: “manter… o fornecimento ininterrupto e seguro de serviços a nível populacional e individual para… doenças crônicas não transmissíveis, saúde mental….”. A resolução chama o Diretor-Geral da OMS a: “prestar assistência aos países,… apoiar… o fornecimento ininterrupto e seguro de serviços de nível populacional e individual, para… DCNTs, saúde mental,…”.


Nesta semana, a OMS também divulgou através de seus canais atualizações que demonstram o aumento da preocupação com as DCNTs durante a pandemia, veja abaixo a tradução dessas publicações.


"COVID-19 pode afetar negativamente a saúde de crianças e adultos que têm DCNTs das seguintes maneiras:

  • maior suscetibilidade à infecção;

  • mais casos fatais após infecção por COVID-19;

  • atrasos no diagnóstico de DCNTs, resultando em doenças mais avançadas;

  • terapia atrasada, incompleta ou interrompida de DCNTs;

  • fatores de risco comportamentais aumentados, por exemplo, falta de atividade física.

"As evidências disponíveis sugerem que as pessoas infectadas com COVID-19 com doenças cardiovasculares e diabetes, bem como aquelas com fatores de risco para doenças cardiovasculares, como hipertensão e obesidade, têm maior risco de doenças graves e morte, e um mau prognóstico parece aumentado com a idade avançada.



"A COVID-19 pode causar uma grande crise de DCNTs em todo o mundo. A pandemia está ampliando as deficiências subjacentes dos sistemas de saúde para responder às necessidades de cuidados de saúde das pessoas que vivem com DCNTs. É essencial que as pessoas que vivem com DCNTs continuem recebendo o tratamento e os cuidados de que precisam."


A OMS informa, ainda, que: "A extensão das interrupções nos cuidados que as pessoas que vivem com DCNTs estão enfrentando durante a pandemia foi avaliada pela OMS por meio de uma avaliação rápida, encerrada em 18 de maio de 2020. Mais de 130 países se ofereceram para participar. Estamos analisando o feedback e esperamos publicar os resultados no final de maio de 2020."



Foi lançada também o relatório de Estatísticas Globais de Saúde e o relatório de resultados, onde aparecem progressos, mas ainda em menor velocidade do que o esperado no enfrentamento às DCNTs. Entre os resultados e recomendações:

  1. Risco de morte por uma das quatro principais DCNTs, entre 30 e 70 anos, continua a diminuir, passando de 22% em 2000 para 18% em 2016;

  2. Declínio mais rápido na taxa de mortalidade 'prematura' padronizada por idade (entre as idades de 30 e 70) foi observado para doenças respiratórias crônicas (40%), seguido por doenças cardiovasculares e câncer (ambas 19%);

  3. Diabetes, no entanto, apresentou aumento de 5% na mortalidade prematura;

  4. A prevalência do uso de tabaco entre pessoas acima de 15 anos caiu de 27% em 2010 para 24% em 2018;

  5. É necessária ação mais eficaz contra os principais fatores de risco para as DCNTs e gerenciamento mais intensivo para as pessoas com DCNTs através de sistemas de saúde fortalecidos, incluindo diagnóstico, tratamento, reabilitação e ações paliativas aprimorados.

Outro aspecto de destaque foi, em 13 de maio de 2020, a publicação pelo Secretário-Geral da ONU de um resumo sobre a necessidade de ação para tornar a saúde mental o centro das respostas de todos os países na recuperação da pandemia de COVID-19 (vídeo abaixo). Devido ao tamanho do problema (ou seja, a saúde mental e o bem-estar de sociedades inteiras foram severamente afetados por esta crise), a grande maioria das necessidades de saúde mental permanece sem atendimento. A resposta é dificultada pela falta de investimento em promoção, prevenção e assistência à saúde mental antes da pandemia. Esse subinvestimento histórico em saúde mental precisa ser corrigido sem demora para reduzir o imenso sofrimento de centenas de milhões de pessoas e mitigar os custos sociais e econômicos de longo prazo para a sociedade.



Próximos passos:


Nota do Secretário-Geral da ONU ao ECOSOC sobre o trabalho da Força-Tarefa Interinstitucional da ONU, liderada pela OMS, sobre as DCNTs, cobrindo o período 2019/2020 já foi publicado (em seis idiomas). Os Estados membros do ECOSOC terão a oportunidade de revisar o relatório durante uma sessão no ECOSOC em 3 de junho de 2020.


Adiada consideração do item 11.2 da agenda sobre inclusão de um Anexo 5 sobre o envolvimento da OMS com entidades do setor privado na prevenção e controle de DCNTs para fortalecer o compromisso e a contribuição das indústrias de álcool, alimentos, bebidas, esportes e farmacêutica para a implementação de respostas nacionais para prevenir e tratar as DCNTs e atingir a ODS 3.4.



Fontes:

www.who.int/noncommunicable-diseases

www.knowledge-action-portal.com

0 visualização

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube