top of page
  • Foto do escritorFórumDCNTs

FórumDCNTs defende investimento em Atenção Primária na Assembleia Geral da ONU

Durante a Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), realizada em setembro em Nova Iorque, o FórumDCNTs apresentou a lideranças globais dos diferentes setores os desafios e propostas do Brasil para o enfrentamento das condições e doenças crônicas não transmissíveis (CCNTs/DCNTs). O coordenador da entidade, Dr. Mark Barone, esteve entre os únicos quatro representantes de organizações da sociedade civil convidados a compartilhar experiências na primeira sessão da Reunião de Alto Nível sobre Cobertura Universal de Saúde.

Foto: Freepik

O propósito do encontro internacional foi fazer uma revisão abrangente da situação dos países que se comprometeram com a meta de atingir, até 2030, a cobertura universal de saúde (Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 3.8). Os debates visaram a identificação de lacunas e recomendações baseadas em evidências com a finalidade de aprovar uma declaração política orientada à ação para o cumprimento dessa agenda.


Barone participou do painel que discutiu a importância do desenvolvimento dos cuidados primários para que todos possam usufruir, sem distinção, de uma vida saudável e com bem-estar. Ele se pronunciou sobre a necessidade de equipar e capacitar os profissionais da atenção primária no que tange ao diagnóstico e manejo das CCNTs, com destaque às mais prevalentes, como diabetes, hipertensão, dislipidemia, obesidade e câncer.


"No Brasil, a atenção primária melhorou tremendamente a saúde materno-infantil, bem como a prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças transmissíveis. No entanto, mais de 75% dos brasileiros morrem atualmente em decorrência das doenças crônicas não transmissíveis, muitas vezes de forma prematura", destacou o coordenador do FórumDCNTs. Barone informou que pessoas com diabetes tipo 1 apresentam redução média de 25 anos de expectativa de vida no Brasil por falta de acesso a tecnologias e cuidados de qualidade. "Este cenário inaceitável é ainda pior em outros países de baixa e média renda, conforme revelam dados do T1D Index", completou.


Barone afirmou que o Brasil começa a direcionar esforços de atenção primária para as CCNTs, com bons resultados em iniciativas locais. Nesse sentido, ele sublinhou a inclusão do teste Point-of-Care na rotina das equipes em Vitória da Conquista (BA), que levou a 1% de redução da hemoglobina glicada em pessoas com diabetes. O coordenador do FórumDCNTs também mencionou um projeto realizado em São Paulo (SP) que proveu à população acesso precoce a cuidados com a pressão arterial por meio da instrumentação e organização da atenção primária. Durante 15 meses de implementação, a intervenção acarretou o aumento de 300% no diagnóstico e controle da hipertensão, além de diminuição de 13% na ocorrência de acidentes vasculares cerebrais e de 12% de infartos.


Mais de um milhão e 300 mil pessoas morreram no Brasil em 2019 por complicações da hipertensão, de acordo com relatório global da Organização Mundial de Saúde (OMS) lançado em Evento Satélite com a presença de Barone, e da Dra. Sheila Martins, parceira do FórumDCNTs e Presidente da World Stroke Organization (WSO) e Rede Brasil AVC, que teve papel fundamental na iniciativa global HEARTS no Brasil, durante a Assembleia Geral da ONU. Em todo o mundo, são mais de 10 milhões de mortes anuais. Um bilhão e 300 mil pessoas vivem com a condição (um em cada três adultos no mundo), quase metade delas sem diagnóstico.

"Espero que estratégias brasileiras efetivas, como as que relatei, sejam escaladas para todo o país, com o incentivo contínuo ao engajamento de pessoas com condições crônicas não transmissíveis nos processos decisórios", disse Barone. O coordenador do FórumDCNTs também conclamou os líderes de todo o mundo a investirem na atenção primária para que obtenham resolutividade diante dos desafios das doenças crônicas não transmissíveis e possam garantir a cobertura universal de saúde aos seus cidadãos.


Leia, na íntegra, a fala do Dr. Mark Barone durante a Assembleia Geral da ONU. Clique aqui.


Destaques das discussões sobre saúde na ONU


Debates na Assembleia Geral e em eventos satélites revelaram a preocupação das lideranças em saúde em priorizar com urgência os diagnósticos, lição aprendida com a pandemia de Covid-19.


As tecnologias Point-of-Care (testes diagnósticos realizados fora do ambiente laboratorial e próximos ao local de cuidado da população, como Unidades Básicas de Saúde) foram mencionadas pela secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde, Dra. Ethel Maciel, como importante estratégia para prover o acesso de populações remotas ao diagnóstico e monitoramento de doenças. Maciel enfatizou que os diagnósticos são fundamentais para reduzir as inequidades no Brasil, uma das prioridades do governo federal.


Foi lançada a Global Patient Alliance for Kidney Health, com o objetivo de dar voz às pessoas com doença renal crônica e defender políticas que aumentem o acesso ao rastreio e tratamento precoce. A condição afeta cerca de 840 milhões de pessoas no mundo, sendo que 90% delas não foram diagnosticadas. Sem os cuidados adequados, essas pessoas podem desenvolver insuficiência renal, o que exige diálise ou transplantes.


O Ministério da Saúde do Egito apresentou sua bem-sucedida campanha de detecção em massa e tratamento de casos de hepatite C. Desde o lançamento da campanha, foram testadas 60 milhões de pessoas. O país, que possuía uma das taxas mais elevadas de hepatite viral do mundo, ultrapassou o índice de 98% de cura. Os resultados levaram o Egito a investir no fortalecimento do diagnóstico de doenças crônicas como câncer, diabetes e hipertensão.


Veja todas as falas dessa sessão na íntegra. Clique aqui.


Confira todos os vídeos da Assembleia Geral da ONU, disponíveis no canal do FórumDCNTS no YouTube. Clique aqui.


Na imprensa

Comments


bottom of page