top of page
  • Foto do escritorFórumDCNTs

Consumo de ultraprocessados provoca 57 mil mortes por ano no Brasil, segundo especialistas

Ultraprocessados estão associados ao aumento de casos de condições crônicas não transmissíveis, como diabetes, doenças cardiovasculares e câncer.


Cerca de 57 mil pessoas com idade entre 30 e 69 anos morrem por ano no Brasil devido ao consumo de alimentos ultraprocessados, segundo estudo realizado por pesquisadores de quatro instituições: Universidade São Paulo (USP), Fiocruz, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Universidad de Santiago de Chile. Isso porque alimentos ultraprocessados ​​têm sido associados a um risco aumentado de condições crônicas não transmissíveis (CCNTs), como diabetes, doenças cardiovasculares, câncer e outras causas. Eles são formulações industriais feitas com partes de alimentos, e que geralmente contêm aditivos sintetizados em laboratório, como corantes, conservantes e aromatizantes, além de conter altas concentrações de sódio, gordura saturada e açúcar.

Os números impressionam principalmente pelo fato de serem mortes evitáveis e prematuras. Nem a violência matou tanto no Brasil. Em 2019, foram 45,5 mil homicídios, segundo o Atlas da Violência.


Os autores do estudo, publicado no American Journal of Preventive Medicine, utilizaram informações da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE — que englobou os anos de 2017 e 2018 — e dados demográficos e de mortalidade para 2019, e criaram um modelo que calcula as mortes, acrescentando a essa análise os riscos relativos a cada faixa de consumo de ultraprocessados. Esses riscos, por sua vez, foram calculados com base em uma recente metanálise— uma pesquisa extensa que revisou sistematicamente vários estudos sobre a relação entre o consumo de ultraprocessados e o estado de saúde.


Íntegra do estudo aqui.


Fonte: Uol

Comments


bottom of page