top of page
  • Foto do escritorFórumDCNTs

Candidate-se para participar de Grupo Temático do FórumCCNTs em 2024 - Até 26/2


Estão previstos 10 GTs do FórumCCNTs para 2024, com os temas:


  • Alimentação Saudável;

  • Atividade Física;

  • Condições Respiratórias Crônicas;

  • Diabetes;

  • Doenças Cardiovasculares;

  • Dor Crônica;

  • Obesidade;

  • Oncologia;

  • Saúde Digital para CCNTs; e

  • Saúde Mental e Neurológica. 


Representantes de instituições públicas, privadas, multilaterais ou da sociedade civil podem candidatar-se a integrar um dos Grupos Temáticos (GTs) do FórumCCNTs. As candidaturas poderão ser submetidas aqui, até o dia 26/02. 


Os GTs consistem em espaços neutros nos quais os membros colaboram entre si para identificar problemas prioritários relacionados às condições crônicas não transmissíveis (CCNTs) e seus fatores de risco no Brasil. Estes stakeholders delineiam ações estratégicas multi e intersetoriais com vistas a reverter ameaças à saúde pública e avançar em termos de prevenção, assim como ampliar e melhorar o acesso e os cuidados para pessoas com CCNTs. 


No próximo dia 20 de fevereiro, às 19h, o FórumCCNTs realizará uma transmissão ao vivo em seu canal no YouTube, por meio da qual os interessados irão conhecer os objetivos e planejamento de cada GT para 2024. 

 


REGRAS GERAIS PARA CANDIDATURA: 

 

  • Respeitar a Política de Conflito de Interesses do FórumCCNTs (disponível AQUI);

  • Cada instituição (exceto setor privado - vide regra abaixo) poderá participar de, no máximo, dois GTs, mas seus representantes não poderão ocupar a posição de facilitação ou co-facilitação em mais de um GT;

  • Instituições do setor privado poderão participar de, no máximo, um GT (exceto as instituições que são parceiras anuais do FórumCCNTs, que poderão integrar, no máximo, dois GTs);

  • Cada pessoa, independentemente da instituição que representa, poderá participar de apenas um GT.


Abertura e Contextualização das Apresentações dos Grupos Temáticos 2024



GRUPOS TEMÁTICOS DE 2024 


GT Alimentação Saudável



Facilitadora

Marília Sobral Albiero

(ACT Promoção da Saúde)

Co-facilitadora

Luiza Haddad

(ONG Pé de Feijão)


Problema prioritário

Baixo entendimento pela população dos malefícios à saúde causados pelos alimentos ultraprocessados somado à dificuldade de acesso à alimentação saudável

Ações intersetoriais de enfrentamento

1. Tendo em vista os 10 anos do Guia Alimentar para a População Brasileira, organizar um evento sobre ultraprocessados com a presença de pesquisadores que apresentem as últimas evidências científicas, a fim de aumentar a interlocução e a compreensão dos outros GTs sobre a importância do tema e sua relação com CCNTs. Esta ação está totalmente ligada ao problema prioritário, pois irá trabalhar com um recorte da população, os profissionais de saúde, que influenciam os usuários do sistema de saúde e o debate público. Muitos deles desconhecem tanto o Guia quanto os efeitos dos ultraprocessados.

2. Fazer campanha de mídia de massa com o objetivo de alertar a população sobre os malefícios dos ultraprocessados e solicitar apoio dos membros do FórumCCNTs para engajamento e divulgação.

3. Realizar incidência política no Legislativo e no Executivo para que a Reforma Tributária contemple as premissas do Guia Alimentar para a tributação dos alimentos, analisando a possibilidade de ações em parceria com os membros do FórumCCNTs.

Mudanças esperadas até o final de 2024 

1. Que as leis complementares da Reforma Tributária, as quais serão debatidas neste ano, ofereçam isenção apenas os alimentos saudáveis e aumentem ainda mais a tributação dos ultraprocessados

 2. Matérias em veículos de imprensa de credibilidade que tratem das evidências científicas dos malefícios dos ultraprocessados e orientem a população sobre alternativas saudáveis e acessíveis.


GT Atividade Física


Facilitadora

Catia Martins Oliveira

(Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz)

Co-facilitadora

Bianca Ramos Marins

(Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Unirio)


Problema prioritário

Insuficiência de interlocução e de ações intersetoriais com vistas a diminuir a prevalência do sedentarismo na população brasileira, o qual impacta negativamente na qualidade de vida das pessoas, principalmente aquelas com condições crônicas não transmissíveis ou em risco de desenvolvê-las.

 Ações intersetoriais de enfrentamento 

1.     Dar visibilidade através de divulgação de resultados em redes sociais e eventos com gestores, favorecendo a escala e a integração entre os programas “Academia da Saúde” (Ministério da Saúde) e “Bicicleta Brasil” (Ministério dos Esportes e Ministério das Cidades). 

2.     Mapear outros principais projetos e resultados disponíveis desenvolvidos pelas áreas técnicas dos Ministérios para discutir estratégias que permitam potencializar e expandir os que se mostrarem mais exitosos. 

3.     Organização de dois eventos por entidades participantes deste GT, sendo um em cada semestre.

·      1° evento: Objetivo - apresentar os programas exitosos no campo de práticas promotoras de atividade física e instituir o GT Promoção de Atividade Física como um espaço de fomento à interlocução entre os atores envolvidos nos projetos de âmbito ministerial, pesquisadores acadêmicos e de outros setores, como sociedade civil, instituições não governamentais e setor privado.

·        2° evento: Objetivo - aprofundar a discussão sobre ações estratégicas intersetoriais visando promover educação e mudança comportamental a fim de elevar o bem-estar da população e as condições urbanas (espaços e equipamentos adequados) para a prática de atividade física (interlocução com as áreas de segurança, meio ambiente, saúde e educação). Esse debate deverá estar alinhado com o cumprimento, no Brasil, da agenda 2030 da ONU, em relação aos ODSs – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, principalmente o (3) Saúde e Bem-estar e (11) - Cidades e Comunidades Sustentáveis

Mudanças esperadas até o final de 2024

Redigir uma carta aberta (call-to-action) sobre a necessidade de um engajamento intersetorial para prevenção e manejo das CCNTs por meio da prática de atividades físicas, orientadas por especialistas da saúde de forma interdisciplinar, com ênfase no aproveitamento dos espaços públicos urbanos, favorecendo a visibilidade para escala das iniciativas exitosas já implementadas em alguma região.


GT Condições Respiratórias Crônicas



Facilitadora

Zuleid Dantas Linhares Mattar

(ABRA – Associação Brasileira de Asmáticos

Co-facilitadora

Flavia Lima

(ABRAF- Associação Brasileira de Apoio à Família com Hipertensão Pulmonar e Doenças Correlatas)


Problema prioritário

Falta de capacitação dos profissionais da Atenção Primária à Saúde sobre sinais/sintomas, diagnóstico e cuidados com a asma e a DPOC. 

Ações intersetoriais de enfrentamento

1.  Identificação de lacunas, prioridades e modelos exitosos.

2. Publicar resultados em carta aberta a ser enviada às sociedades médicas e entidades envolvidas.

3.  Colaboração com o FórumCCNTs em eventos já planejados para 2024 sobre o tema, com o objetivo também de estimular o Ministério da Saúde a levar os medicamentos hoje presentes na farmácia de alto custo para acesso através da APS.

4. Buscar apoio tanto de atores e personalidades da mídia quanto de políticos de todas as esferas (deputados, vereadores e senadores) para dar visibilidade à pauta. 

Mudanças esperadas até o final de 2024

Maior capacitação dos profissionais da APS de municípios que se engajem nesse movimento, somada ao acesso aos medicamentos através da APS, resultando em aumento do diagnóstico oportuno, melhores cuidados e desfechos mais favoráveis.


GT Diabetes



Facilitador

Elton Junio Sady Prates

(Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais)

Co-facilitadora

Michelly Arruda

(Associação Doce Vida)


Problema prioritário

Falta ênfase à atuação multiprofissional e interprofissional na Atenção Primária à Saúde para o cuidado e o manejo do diabetes no Brasil

Ações intersetoriais de enfrentamento

1.Realizar a I Conferência Livre Nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde no contexto das CCNTs, em maio de 2024, em parceria com a ABEn-MG, o COEST-MG e a UFMG, como atividade preparatória para a 4ª Conferência Nacional de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde (CNGTES), que ocorrerá de 19 a 22 de novembro. O objetivo desta atividade é dar destaque para a relevância do trabalho multi e interprofissional no cuidado integral ao diabetes e às demais CCNTs, com a discussão do cenário atual e a proposição de soluções. Convidaremos os demais GTs do FórumCCNTs para elaborarem e submeterem propostas que serão apreciadas durante o evento, com vistas a uma construção coletiva de diretrizes e propostas. Essa atividade também objetiva eleger delegados para participação na 4ª CNGTES.

2. Apresentar os resultados da Conferência Livre, em formato de resumo/pôster, no 19° Seminário Nacional de Diretrizes para a Educação em Enfermagem, 16° Simpósio Nacional de Diagnósticos de Enfermagem e 4° Colóquio Brasileiro de Enfermagem em Saúde Mental (https://eventosaben.org.br/19senaden), promovido pela Associação Brasileira de Enfermagem.

3. Propor e participar da tradução da diretriz da Sociedade Europeia de Cardiologia sobre o manejo das doenças cardiovasculares em pessoas com diabetes (https://bit.ly/DCVDiabetes). Esse guideline destaca o trabalho multiprofissional no contexto da prevenção de DCV em pessoas com DM. Solicitaremos autorização para a tradução e convidaremos para integrar o projeto representantes da SBC, SBD, ESC, ABEn, entre outras entidades. Nossa proposta é que o documento traduzido seja publicado e amplamente compartilhado pelo FórumCCNTs em formato digital, com o aval dos demais participantes. O público-alvo do material são profissionais de saúde, pessoas que vivem com diabetes e gestores.

4. Ações de divulgação do material traduzido sobre DCV e diabetes:

- Organização de live de lançamento entre julho e agosto

- Distribuição do documento impresso durante o 79° congresso da SBC (buscaremos apoio de representantes da indústria para custear esta ação).

- Lançamento e distribuição do material impresso no 11° Encontro de Enfermagem da Região Sudeste da Associação Brasileira de Enfermagem e na 4ª CNGTES. 

Outras atividades poderão ser promovidas por membros do GT ao longo de 2024, visando ampliar a discussão sobre o problema prioritário nos seus diferentes espaços de atuação.

Mudanças esperadas até o final de 2024

1. Ampliação da discussão e o conhecimento sobre a importância do trabalho multi e interprofissional na Atenção Primária à Saúde (APS) para o cuidado e manejo do diabetes, envolvendo neste debate pessoas com diabetes, gestores de saúde públicos e privados, indústria farmacêutica e outros stakeholders do setor privado, associações da sociedade civil, sociedades de especialidades e poder público.

2. Aprovação na 4ª CNGTES de propostas que abordem o fortalecimento do trabalho interprofissional, especialmente dos programas multiprofissionais da APS, a fim de contribuir com subsídios para o Plano Nacional de Saúde e para apoiar a tomada de decisão em torno da Educação e do Trabalho em saúde.


GT Doenças Cardiovasculares



Facilitadora

Patrícia Vieira de Luca

(AHF - Associação Brasileira de Hipercolesterolemia Familiar) 

Co-facilitadora

Ana Carolina Micheletti

(Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)


Problema prioritário 

Falta de diagnóstico e monitoramento de doenças cardiovasculares na atenção primária.

Ações intersetoriais de enfrentamento

1.  Audiência pública em Brasília sobre pacote mínimo para diagnóstico e monitoramento de CCNTs na APS (com ênfase em hemoglobina glicada, lípides, creatinina e albuminúria), com a participação do Ministério da Saúde, pesquisadores, representantes das sociedades civil e médica, e de cidade que já implementou com sucesso a estratégia. 

2.  Apresentação, em evento para gestores, de modelos exitosos com a incorporação de point-of-care na atenção primária.

Mudanças esperadas até o final de 2024

Sensibilização do MS, gestores estaduais e municipais para ações exitosas escaláveis voltadas à resolução do problema prioritário identificado pelo GT DCV: subdiagnóstico e subtratamento de CCNTs no Brasil por falta de rastreio, diagnóstico e monitoramento na APS. 


GT Dor Crônica



Facilitador

Carlos Tucci

(Sociedade Brasileira de Coluna)

Co-facilitadora

Rosane da Silva Alves Cunha

(SMS de Valença/RJ)


Problema prioritário

Necessidade de capacitar agentes comunitários de saúde sobre dor nas costas (causas, efeitos, detecção precoce de incapacidade e doenças graves, manejo).

Ações intersetoriais de enfrentamento

1. Elaboração de material educativo baseado nas diretrizes da OMS

2. Realização de evento online para agentes comunitários de saúde para divulgação desse material

3. Integração e trabalho conjunto com outros GTs do FórumCCNTs cujos objetivos incluem promoção de atividade física, autocuidado físico e mental e acesso à estrutura de Atenção Primária à Saúde brasileira.

Mudanças esperadas até o final de 2024

1. Interesse de agentes comunitários da saúde e gestores pelo tema.

2. Inserção do conteúdo do material educativo nas práticas diárias dos agentes comunitários em municípios que demonstrem mais interesse.


GT Obesidade



Facilitadora

Andrea Levy

(ONG Obesidade Brasil)

Co-facilitadora

Doralice Ramos

(Painel Brasileiro da Obesidade)


 Problema prioritário

Dificuldades de acesso aos cuidados básicos para a pessoa com obesidade na atenção primária

 Ações intersetoriais de enfrentamento

1. Discutir e planejar ações de educação da pessoa com obesidade e profissionais da atenção primária sobre a condição e o seu tratamento

2. Reunir organizações da sociedade civil, sociedades médicas e hospitalares, profissionais de saúde, gestores, pessoas com obesidade e secretarias estaduais, com o intuito de debater sobre as dificuldades encontradas para o acesso e como levar essas demandas para o Ministério da Saúde

3. Participar de audiências públicas, sessões solenes e seminários em ambientes abertos para o acompanhamento dos indicadores e ações do poder público

4. Alinhar estratégias com os GTs de Alimentação Saudável, Atividade Física e Diabetes

 Mudanças esperadas até o final de 2024 

1. Elaborar e divulgar amplamente, com a participação das pessoas com obesidade, documento com o objetivo de engajar os atores sociais na preconização, desenvolvimento e implementação de políticas relacionadas à prevenção e cuidados de pessoas com obesidade (exemplos: regulação de alimentos em escolas, gordofobia, presença de profissional de educação física na Atenção Primária à Saúde).

2. Iniciar movimento dentro do Ministério da Saúde para o desenvolvimento de ações que melhorem o acesso aos cuidados da obesidade na atenção primária.


GT Oncologia



Facilitadora

Helena Esteves

(Oncoguia)

Co-facilitadoras

Luana Ferreira

(Abrale)

Celina Martins

(Instituto Vencer o Câncer)


Problema prioritário

Distanciamento das agendas municipais de ações de prevenção e diagnóstico do câncer

Ações intersetoriais de enfrentamento 

1. Dar visibilidade à nova Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer, aproveitando os eventos do FórumCCNTs dedicados a essa temática e outras oportunidades para sensibilizar e mobilizar uma ampla rede intra e intersetorial.

2. Elencar 10 prioridades relativas ao enfrentamento do câncer, com destaque às ações de responsabilidade dos municípios.

3. Com base nessas prioridades, entregar aos candidatos às eleições dos municípios com mais de 200 mil habitantes, ou pelo menos aos candidatos da capital de cada um dos estados e Distrito Federal, uma lista mínima de compromissos com o cuidado oncológico que devem ser assumidos pela nova gestão.

4. Entregar essa carta, também, ao CONASEMS e solicitar o apoio da instituição.

Mudanças esperadas até o final de 2024

Através da mobilização e engajamento intra e intersetorial, conseguir o compromisso expresso e documento de pelo menos 20-30% dos candidatos que receberem a proposta.


GT Saúde Digital para CCNTs



Facilitadora

Juliana Nabarrete

(SAS Brasil)

Co-facilitadora

Iseli Reis

(Fleximedical)


Problema prioritário

Ausência de políticas públicas de padronização, orientação e incentivo voltadas às jornadas digitais por linhas de cuidado de CCNTs.

Ações intersetoriais de enfrentamento

1. Dar continuidade à identificação e catalogação de casos de sucesso por linha de cuidado de CCNTs, iniciada em 2023.

2. Organizar e realizar um webinar no primeiro semestre de 2024 para discussão das experiências exitosas identificadas pelo GT, com a participação de especialistas em saúde digital e CCNTs, bem como de tomadores de decisão.

Mudanças esperadas até o final de 2024

Redigir documento com propostas para implantação em maior escala de experiências de sucesso, além da proposição de protocolos para jornadas digitais. Definir estratégias de divulgação deste documento e interlocução para desenvolvimento de políticas públicas nele baseadas.


GT Saúde Mental e Neurológica



Facilitadora

Maria Odete Pereira

(Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)


Problema prioritário

 Os profissionais de saúde da atenção básica não estão suficientemente capacitados para acolher e ofertar o cuidado integral aos usuários do SUS, que vivenciam condições de sofrimento/adoecimento mental e uso abusivo de álcool e outras drogas.

Ações intersetoriais de enfrentamento

1.  Triagem de três experiências com potencial para serem replicadas, que serão apresentadas em evento online, a ser potencialmente organizado no âmbito do FórumCCNTs (item 2). As experiências serão apresentadas por gestor, trabalhador e usuário.

2.  Realizar um evento nacional online com a participação de coordenadores de saúde mental de todos os estados brasileiros e Distrito Federal, bem como de representantes da Coordenação Nacional de Saúde Mental e Secretaria Nacional de Atenção Primária (ambos do Ministério da Saúde), Conselho Nacional de Saúde, CONASEMS, ANS, Departamento Nacional de Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental da Associação Brasileira de Enfermagem, usuários e familiares do SUS e parceiros da iniciativa privada e terceiro setor.

3.  Elaborar carta de recomendações com detalhamento das experiências exitosas mapeadas e entregar às coordenações de saúde mental dos estados, com a proposta de que usem algumas das  metodologias descritas para a capacitação de trabalhadores da Atenção Primária.

 Mudanças esperadas até o final de 2024

1.     Validação da carta de recomendações com mapeamento de experiências exitosas, pelas instituições que participarem do evento online, e apoio para sua divulgação e replicação de modelos.

2.     Devolutiva dos estados acerca da carta compartilhada, com resposta formal a respeito de interesse e planos para replicar casos de sucesso, conforme as características de seu território.

Comentários


bottom of page