• FórumDCNTs

Atualizações do plano de ação de saúde mental da Organização Mundial da Saúde

De acordo com o United for Global Mental Health, tanto na 148ª reunião do Conselho Executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS) em janeiro quanto na Assembleia Mundial da Saúde da OMS, a saúde mental foi discutida e considerada pelos ministros da saúde do mundo, particularmente no contexto do COVID-19. Durante a Assembleia Mundial da Saúde, os Estados membros endossaram o Plano de Ação de Saúde Mental atualizado (2021-2030), que estabelece as metas e indicadores pelos quais os Estados membros medirão seu progresso em direção a uma melhor saúde mental para todos. Uma análise das atualizações do plano de ação pode ser encontrada aqui, e o Secretariado da Rede de Ação de Saúde Mental Global (GMHAN) produziu um guia essencial para defensores. O plano atualizado inclui quatro novas metas, juntamente com indicadores atualizados e opções novas e modificadas para implementação. As mudanças refletem o conhecimento desenvolvido ao longo dos últimos 8 anos, desde que o plano anterior foi desenvolvido e acordado. Eles também refletem a defesa dos ativistas de saúde mental que clamam por mudanças nas políticas em nível local, nacional e internacional.


Duas novas metas estão relacionadas ao aumento da integração da saúde mental nos serviços de saúde básicos e comunitários. Isso, combinado com as opções de implementação que também enfatizam essa abordagem, são um meio importante para os ativistas pressionarem por um maior progresso para os cuidados de saúde mental.

A recomendação de “envolver pessoas com transtornos mentais e deficiências psicossociais na avaliação e monitoramento de todos os serviços de saúde mental públicos e privados, incluindo hospitais psiquiátricos e lares de assistência social”, reflete o trabalho de ativistas em países como a Argentina. Da mesma forma, a recomendação de realizar a capacitação entre as principais partes interessadas, incluindo formuladores de políticas sobre estratégias para promover o respeito pela vontade e preferência das pessoas em saúde mental e serviços relacionados, está refletida no Programa de Direitos de Qualidade da OMS e no trabalho com parceiros no terreno, incluindo em Gana e Quênia. A ênfase na integração da saúde mental e da assistência social aos programas de saúde e bem-estar da família reflete o trabalho da Fundação Bernard van Leer e seus parceiros de defender que se dê maior prioridade à saúde mental dos cuidadores.


Saiba mais sobre as atualizações para o plano de ação abrangente de saúde mental da OMS.