top of page
  • Foto do escritorFórumDCNTs

Cigarro eletrônico acende alerta de doenças cardiovasculares em jovens

Federação Mundial do Coração (World Heart Federation) divulga material com os números milionários do mercado de dispositivos eletrônicos para fumar e os riscos à saúde, principalmente em jovens.


Os cigarros eletrônicos já passam despercebidos pela quantidade de usuários e do mercado bilionário que acontece em seu entorno. A Federação Mundial do Coração (WHF) divulgou o infográfico “Cigarros Eletrônicos e Doenças Cardiovasculares” que apresenta informações sobre o que é o cigarro eletrônico, os valores que a indústria fatura em cima dele e os riscos para a saúde cardiovascular da população, principalmente em jovens, os grandes alvos desse mercado enganoso e letal.

Fonte: WHF

O documento, dividido em cinco partes, apresenta o que são os cigarros eletrônicos, alternativa popular aos cigarros convencionais, e que contém sistemas eletrônicos de entrega de nicotina que simulam o fumo do tabaco pelo seu aquecimento e vaporização.


O mercado de cigarros eletrônicos gira números bilionários. Vendido em 102 países, em 2018 o faturamento em todo o mundo foi de US$ 11.26 bilhões (cerca de R$ 43.62 bilhões na cotação da época) e a projeção é cada vez maior. Em 2023 a estimativa é de que esse valor aumente exponencialmente para US$ 26.84 bilhões (aproximadamente R$ 136.4 bilhões na cotação atual).


Um dos atrativos do cigarro eletrônico é a falsa impressão de inofensividade e o desejo de parar de fumar em comparação aos cigarros convencionais, porém a WHF alerta que as substâncias tóxicas em ambos os dispositivos são parecidas e afetam diretamente o sistema cardiovascular. Os riscos aumentam pelo fato de a nicotina estar presente nos cigarros eletrônicos e causar dependência como outras substâncias ilícitas, afinal ela causa aumento da frequência cardíaca, apresenta picos de adrenalina, eleva a pressão arterial, e aumenta o risco de ataque cardíaco.


O vape, como é conhecido no Brasil, afeta diretamente a saúde cardiovascular. Pesquisadores já comprovaram que nos usuários do dispositivo ocorre o aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, arritmia cardíaca, problemas vasculares, possível aumento do risco de coágulos sanguíneos, e aumenta em quase duas vezes as chances de um ataque cardíaco em comparação aos não fumantes.

Foco da indústria do cigarro eletrônico, os jovens são agressivamente atacados pelo marketing e por possíveis influenciadores, patrocinadores, campanhas nas redes sociais e pelos sabores diversos com essências de frutas e doces, por exemplo.


A Federação Mundial do Coração, a partir do infográfico divulgado, recomenda:

  • Proibir a venda e distribuição de cigarros eletrônicos a menores de 18 anos;

  • Proibir o uso de agentes aromatizantes, especialmente aqueles que atraem os adolescentes;

  • Realizar mais pesquisas sobre os efeitos a longo prazo dos cigarros eletrônicos na saúde cardiovascular;

  • Aplicar impostos sobre consumo de cigarros eletrônicos;

  • Proibir marketing, publicidade e declarações enganosas sobre cigarros eletrônicos;

  • Proibir o uso de cigarros eletrônicos em qualquer lugar onde os cigarros de tabaco tenham sido proibidos.


Acesse o infográfico na íntegra aqui.


Comments


bottom of page